Ignorar é a forma mais elegante de se defender da maldade. (Fernanda Estellit)

domingo, 3 de maio de 2015

MANASSÉS LOTOU O THEATRO SÃO JOÃO

     A música do multi-instrumentista cearense Manassés encantou o público sobralense nesta semana. O Theatro São João ficou lotado. No show que com apoio da Prefeitura de Sobral abriu a turnê "A Música de Manassés", apoiada pelo Banco do Nordeste e pelo Ministério da Cultura, Manassés está divulgando seu 13º disco de inéditas, intitulado “Mana Mano”. O músico e seu quinteto formado por Cristiano Pinho (guitarra), Miqueias dos Santos (baixo), Adriano Azevedo (bateria), Jorge Levi (acordeom) e Jones Cabó (percussão), fizeram um show memorável, entre solos e improvisos. A música regional-universal foi apresentada em repertório marcado por composições de Manassés e clássicos do pop, sempre com muitos aplausos.
     As músicas “Retirante” e “A terceira ponte” do recém-lançado disco “Mana Mano”, abriram o repertório da noite. O começo do show foi intimista. No palco, soava apenas o violão de Manassés. Aos poucos, os músicos surgiram e dominaram o palco com maestria. As composições pareciam renascer a cada instante, nas mãos rápidas e melódicas de Manassés e amigos.
Logo no início do show, Manassés fez questão de dizer o quanto estava feliz de tocar em Sobral e de apresentar os músicos. “Faz tempo que dizia que queria tocar aqui na cidade. Agora o sonho foi realizado. Faz tempo que não passava pelo Theatro São João”, comentou.
     Entre outras músicas que cativaram o público está “Menino de Rua”, composição de Manassés que aparece no disco "Nômade". Como não poderia faltar, as versões de canções pop apareceram com devida força da música instrumental cearense. Na versão de “Eleanor Rigby”, dos Beatles, os solos dos músicos e a guitarra slide de Cristiano Pinho foram marcantes. Já em “Time after time”, de Cyndi Lauper, a plateia acompanhou cantando o violão de Manassés. No mesmo caminho de canções internacionais esteve “Fragile”, de Sting.
    A homenagem ao mestre Luiz Gonzaga não poderia faltar. Em “Algodão”, houve espaço para solos inspirados de Adriano Azevedo e Miqueias dos Santos.
O desfecho do show foi especial. A música “Nanasalturas”, de Manassés, feita em homenagem ao percussionista Naná Vasconcelos, ganhou mais uma vez solos inspirados dos músicos. O destaque foi para a percussão criativa de Jones Cabó e para o instrumento indiano derbake tocado pelo baterista Adriano Azevedo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DÚVIDA?

DÚVIDA?